Curadoria e Programadores

Curadores

De 03 a 10 de maio nossos curadores se reuniram para a seleção dos 12 espetáculos contemplados para compor a programação do FAC – Festival das Artes Cênicas – Cena Ceará.

Com a palavra, os curadores:

aspas-3

Acreditamos que o FAC prima por manter o caráter dos encontros, pensando na pulsante potência de estabelecer pontes entre a cidade e o que dela podemos fruir, memórias, ocupações, celebrações, rito, mas sobretudo, falar do humano e de como sobreviver nessa controversa forma de olhar a cultura como viés de transformação da humanidade.
A partir do que se estabelece como organização de um curto tempo/espaço, a curadoria encontra na complexidade do diverso e plural recorte da cena cearense, trabalhos de uma riqueza inigualável. Apresentamos um recorte de produções que trazem contextos diversificados na sua trajetória enquanto grupo/artista, modos distintos de estabelecer novas conexões e formas de existir num momento em que sofremos o maior desmonte das estruturas da cultura que nos permitem, mesmo que minimamente, visibilizar nossa arte. Tarefa difícil quando temos um universo de trabalhos importantes e de fundamental importância para termos um quadro da produção cearense nos olhares da antena do país, no entanto, esse recorte fala de um lugar que estabelece uma visão do que temos para oferecer enquanto produto de qualidade na produção cênica do país.

Claudio Ivo-curador

Claudio Ivo

Artista
(Fortaleza – CE)

História e Trabalhos

Cláudio Ivo é ator, diretor de teatro e circo, palhaço/clown, sapateador e instrutor de teatro, circo/clown e mímica. Dirigiu e atuou em vários espetáculos, sendo premiado em alguns. Formado pela Escola Nacional de Circo e selecionado para integrar o elenco do Cirque du Soleil.

Dane de Jade-curadora

Dane Dejade

FIMC
(Cariri – CE)

História e Trabalhos

Dane de Jade é Especialista em arte, educação, gestão cultural e permacultura. Atriz, pesquisadora, produtora, radialista e Gestora Cultural. Doutoranda em Turismo, Lazer e Cultura pela Universidade de Coimbra - Portugal. Atuou como Diretora da Fundação Cultural J. de Figueiredo Filho, foi Gerente de Cultura do Regional SESC Ceará, onde fomentou a criação da Mostra Sesc Cariri de Culturas participando de curadorias e projetos como Palco Giratório, Sonora Brasil, dramaturgia leituras em cena, entre outros. Coordenou a Mostra Luso-Brasileira em Coimbra/Portugal. Fundadora da Ong Beatos que vem desenvolvendo trabalhos e pesquisas em cultura tradicional popular, meio ambiente e artes. Idealizadora do Festival Internacional de Máscaras do Cariri/FIMC. Realiza curadoria para Festivais e editais. Vencedora do Prêmio Claudia 2012 na categoria Cultura. Secretária de Cultura do município de Crato, no período de 2013 a 2016. Participou como professora convidada no curso de gestão cultural do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo (2016 a 2018). Integrante do Conselho Nacional de Política Cultural/CNPC. Atualmente Coordenadora da Escola Vila da Música e Escritório Regional de Cultura Cariri da Secretaria de Cultura do Estado do Ceará.

valeria pinheiro-curadora

Valéria Pinheiro

Coreógrafa e bailarina – Cia. Vatá
(Cariri/Fortaleza– CE)

História e Trabalhos

Coreógrafa e diretora artística da Cia Vata, Coordenadora pedagógica do Ponto de Cultura Ubuntu e Pontinho de Cultura  Escola de Musicais. Gestora Cultural do Café Teatro das Marias. Atualmente é Supervisora Técnica em produção e gestão na Escola - Vila da Música do Crato. Em maio de 2019 completa 35 anos de carreira no território cultural, atuando com artes e cultura de forma geral.

Programadores

A realização do FAC – Festival das Artes Cênicas – Cena Ceará tem se dado a muitas mãos, produzido por gente que pensa, corre atrás e realiza. Nosso desejo é unir para depois expandir. Estamos acontecendo graças às parcerias potentes que nos tem fortalecido nessa travessia.
Para somar junto ao FAC, apresentamos nossos parceiros incríveis, de longas jornadas, que resistem e acreditam na arte como arma potente, que não fere, mas que multiplica o amor, e transforma. Para fazer parte das Rodadas de Negócios, e conhecer um recorte da produção cearense em Artes Cênicas convidamos:

carlos gomes

Carlos Gomes

Itaú Cultural (São Paulo - SP)

História e Trabalhos

Carlos Gomes é bacharel em Artes Cênicas pela Unicamp desde 2001 e também em Pedagogia pela UFSCar em 2016. Atualmente é coordenador do núcleo de artes cênicas no Itaú Cultural. Coordenou o programa de Fomento ao Teatro (2014- 2016) e fez a supervisão artístico-pedagógica da Fábrica de Cultura do Jardim São Luís (2012-2013). Em 2008 foi contemplado pelo Prêmio Pesquisador 2008 do Centro Cultural São Paulo realizando o projeto “Um Batuque Memorável no Samba Paulistano” que resultou em um livro e 8 curtas documentários. Integrou o Núcleo Experimental de Teatro do Sesi – SP/2005, sob Coordenação de Isabel Setti e fez parte do elenco de “QuemNunca”, direção de Renata Melo, e produção SESI/FIESP. Foi um dos integrantes do Grupo do Santo (1998-2005) que investigou o teatro popular e de rua e a relação direta do ator com o público. A partir de 2000 o grupo teve a orientação e direção da atriz e diretora Tiche Vianna.

Cleudivan Noronha

Cleudivan Noronha

Palco Giratório (SESC - CE)

História e Trabalhos

Graduado em Licenciatura em Teatro pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará e pós-graduando em Gestão Cultural pelo Senac São Paulo, é curador do projeto Palco Giratório, principal projeto de circulação e difusão das artes cênicas no Brasil e Mostra Sesc Cariri de Culturas, atuando em diversos eixos da produção cultural em artes cênicas no Sesc Ceará. Atuou em diversos espetáculos como "Ópera do Malandro", "A Noiva e o Condutor", "Conversas de Esquinas", etc, e dirigiu o espetáculo "Luar" pelo grupo Coral das Artes Cênicas.

Sobre Palco Giratório - SESC/CE

Reconhecido como uma das maiores iniciativas no segmento de artes cênicas do país, o Palco Giratório é uma rede de intercâmbio e difusão das artes cênicas consolidada no cenário cultural brasileiro. Ao longo de 21 edições, levou uma grande variedade de gêneros e linguagens artísticas para um público diversificado, em 9.526 apresentações em todo o país, entre grupos de teatro de rua, circo, dança entre outras linguagens artísticas — em instalações do Sesc, praças e outros espaços urbanos. Cada vez mais alcança não apenas as capitais, mas também as pequenas cidades, descentralizando a arte e estabelecendo outras redes de circulação e intercâmbio no país.

foto cris

Cris Diniz

Coord. Internacional do Corredor Latinoamericano de Teatro

História e Trabalhos

Fez Mestrado em Iluminação Teatral na Pós-Graduação em Artes Cênicas da UFOP, Ouro Preto–MG-2018, Graduação em interpretação Teatral com formação complementar em Artes Visuais, pela UFMG, Belo Horizonte-MG-2010 e Licenciatura em Artes Cênicas da UFMG, Belo Horizonte-MG-2008. Foi professor temporário de Direção, Iluminação e Cenografia no Curso de graduação em Teatro da UFSJ em 2012, Prof Substituto das cadeiras de Gestão Cultural e Visualidade da Cena na UFMG em 2018, um dos fundadores do curso de Tecnologia da Cena do CEFART-Palácio das Artes. Atualmente é Coord. Internacional do Corredor Latinoamericano de Teatro - Brasil; Coord. Técnico dos festivais: FETO (Festival Estudantil de Teatro), Festival de Artes Cênicas de João Monlevade e um dos idealizadores e coordenadores do A-Mostra.Lab, Curta Dança, Curta Jovens Realizadores e Encontro Latinoamericano de Teatro de Grupo. Nestes três últimos também atua como curador. Fez circulação do Sesc Palco Giratório como prod. executivo da Cia 5 Cabeças em 2016 e Pigmalião em 2017. Hoje é também ator e convidado da Cia Pierrot Lunar, iluminador dos grupos Trampulim, Cia Negra de Teatro, Grupo Dos Dois; além de outros trabalhos com cinema, teatro, dança e performance.

Instituições:

- Coord. Internacional do Corredor Latinoamericano de Teatro

- Coord/Curadoria dos festivais: A-Mostra.Lab, Encontro Internacional de Dramaturgia Emergente, Curta Dança, Encontro Latinoamericano de Teatro de Grupo e Festival de Teatro em Casa.

Cynthia Margareth

Cynthia Margareth

Feverestival (Campinas - SP)

História e Trabalhos

É atriz, gestora cultural, fundadora da AFLORAR CULTURA. É diretora geral do FEVERESTIVAL – Festival Internacional de Teatro de Campinas e colaboradora na gestão de equipe do FIMC – Festival Internacional de Máscaras do Cariri. Atua com foco na produção como eixo criativo, que impulsiona ações colaborativas, criação de redes, formação e coordenação de equipes de trabalho. Oferece ações e capacitação em produção cultural, através de palestras, cursos, residências em produção e assessoria para gestão de grupos. Por 14 anos foi coordenadora de produção do LUME Teatro – UNICAMP, onde coordenou a produção dos espetáculos do grupo, circulações, temporadas nacionais e internacionais e a gestão dos projetos de montagem/criação e formativos. Coordenou a produção de grandes projetos como o espetáculo multimídia “Perch”, com grupos da Escócia e Austrália com mais de 200 artistas em cena, duas orquestras sinfônicas, para um público de 20 mil pessoas. E coordenou grandes circulações como do projeto contemplado pela BR Distribuidora,  "Café com Queijo - brasis em um só Brasil", pelo norte do país, realizando espetáculos e ações formativas pelos estados do Amazonas e Pará.

dani hoover

Dani Hoover

Festival de Circo do Brasil (Pernambuco)

História e Trabalhos

Danielle Hoover Rodrigues Costa é formada em Licenciatura em Educação Artística pela UFPE, produziu vários trabalhos na área de produção cultural, audiovisual, TV, cinema, música, eventos, espetáculos e publicidade. Fundou em 1996 a Luni Produções Ltda em sociedade com o músico e diretor Lula Queiroga, com quem produz e dirige vários trabalhos nas áreas citadas. Dani Hoover também faz a direção, curadoria e produção executiva do Festival de Circo do Brasil, já na sua 14ª edição, de 2004 a 2018, realizado em Pernambuco.

felipedeassis_foto_horizontal

Felipe de Assis

FIAC (Salvador – BA)

História e Trabalhos

Felipe de Assis é artista da cena, produtor, pesquisador e curador. Trabalha desenvolvendo projetos culturais com interesse no desenvolvimento humano. Colabora com curadorias independentes, notadamente, Programa Rumos Itaú Cultural (2017/2018), Edital Oi Futuro (2017 e 2018), MITbr curadoria vinculada à Mostra Internacional de São Paulo (2018 e 2019). Co-criador do Festival Internacional de Artes Cênicas da Bahia (FIAC Bahia), no qual atua como coordenador geral e curador desde 2008. Festival que é membro do Núcleo dos Festival Internacionais de Artes Cênicas do Brasil desde 2009 e Rede de festivais de Teatro do Brasil desde o seu início em 2015. Através da 7Oito Projetos & Produções assina a realização do FIAC BAHIA desde 2013 e coordenou o programa de formação em artes cênicas em Salvador e Região Metropolitana, Mediação Cultural (2014); produziu a montagem e a circulação dos espetáculos Feitocal (2015) e Looping: Bahia Overdub – Programa Palco Giratório (2018); montagem de Looping: Scotland Overdub com a cia. Scottish Dance Theatre (2018); ministrou cursos de curadoria em artes cênicas no Laboratório de Produção – Fortaleza, CE (2017) e SESC Santo Amaro – Recife, PE (2018), entre outros.

Fernando Zugno

Fernando Zugno

Porto Alegre em Cena (Porto Alegre - RS)

História e Trabalhos

Diretor da produtora cultural Artworks Produções. Graduado em teatro pelo Teatro Escola de Porto Alegre – TEPA – em novembro de 2005; Graduado em Comunicação Social, especialização em jornalismo, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS – em agosto de 2010. Desde 2007 é coordenador dos projetos internacionais e de produção do festival internacional de artes cênicas, Porto Alegre em Cena, através do qual trabalhou com artistas como Peter Brook, Ariane Mnouchkine e o Théâtre du Soleil, Patrice Chereau, Robert Wilson, Pina Bausch, Thomas Ostermeier, Maguy Marin, Frank Castorf, Meredith Monk, Zé Miguel Wisniki, Tom Zé, Felipe Hirsch, Bia Lessa, Christiane Jatahy e Zé Celso Martinez Corrêa. Desde 2012 produz espetáculos e eventos independentes através da sua produtora Artworks Produções, encarregada em montar espetáculos de teatro, dança e música, circular com essas e outras produções e montar eventos para convidar espetáculos de fora da cidade. Nos últimos anos participou de festivais, seminários e reuniões na Alemanha, França, Espanha, Grã Bretanha, Australia, Peru, Chile, Argentina e Estados Unidos. Hoje é coordenador de artes cênicas de Porto Alegre e diretor geral e curador do Porto Alegre em Cena. Fernando publicou a biografia da atriz Ida Celina, intitulada Ida Celina: História(s) em Mim.

Sobre Porto Alegre em Cena (Porto Alegre/RS)

O Porto Alegre em Cena é um dos mais importantes festivais de artes cênicas da América Latina que em 25 anos de atividades ininterruptas levou os mais importantes artistas e grupos das artes cênicas do Brasil e do mundo para a cidade de Porto Alegre. A programação nacional e internacional é construída a partir de pesquisas da direção artística do festival junto com programadores, produtores, artistas de todas as partes e a equipe do Festival. Além da mostra de  espetáculos, o Porto Alegre Em Cena também dá forte ênfase às atividades formativas, como debates, residências, aulas e oficinas. A ideia é dar também protagonismo para as discussões e debates,  inclusive transcendendo os temas das peças para criar espaços para discussões para além da estética. Por acreditar na cultura como forma de educação, o Porto Alegre em Cena também investe no projeto Inclusão em Cena que visa o acolhimento de crianças e adolescentes de baixa renda a uma vivência dentro da área das artes cênicas. São realizadas apresentações de espetáculos para o público infanto-juvenil, selecionados através de curadoria específica e com a presença de renomados artistas gaúchos, nas diversas regiões descentralizadas da cidade de Porto Alegre. Ao longo do mês de outubro as apresentações acontecem em teatros, escolas, praças e centros culturais, com ênfase no Dia das Crianças, além de atividades em hospitais, em alas pediátricas do SUS. Todas as atividades do projeto são gratuitas.

francisco pelle

Francisco Pellé Vieira

FESTLUSO - Festival de Teatro Lusófono (Teresina – PI)

História e Trabalhos

Francisco Antônio Vieira, 54, mais conhecido como Francisco Pellé, nasceu em Teresina, Piauí. É ator, produtor cultural, e um dos fundadores do Grupo Harém de Teatro. Quando mais jovem, viveu uma época de grande efervescência dos grupos amadores de Teresina, trabalhando em alguns, como Grupo Raízes, Grumochôa, Grupo de Teatro Beleza e Grutepe. Como integrante do Grupo Harém de Teatro, fundado em 1985, realizou espetáculos importantes tanto para a trajetória da companhia, quanto para a carreira pessoal, como Raimunda Pinto, Sim Senhor! (1992) e Auto do Lampião no Além (1996). Durante este período, conheceu o ator, autor e encenador José Gomes Campos, que seria uma das suas maiores referências. Atualmente é coordenador geral e programador do FESTLUSO- Festival de Teatro Lusófono, realizado em Teresina, desde 2008, criado para apresentar e discutir espetáculos originados de países de língua portuguesa, em parceria com os integrantes do Teatro Extremo de Portugal, grupo com o qual realizou outros trabalhos teatrais.

Giza-Diogenes-2

Giza Diógenes

Festival Internacional de Circo do Ceará

História e Trabalhos

Diretora da empresa Iluminura Produtora Cultural. Idealizadora, gestora e produtora do Festival Internacional de Circo do Ceará com cinco edições realizadas (2014 a 2018), gestora e produtora do Festival dos Inhamuns. Circo, Bonecos e Artes de Rua. Iniciou carreira como produtora cultural e 2001 em Fortaleza integrando a equipe de produção dos principais eventos culturais do Ceará (Bienal Internacional do Livro do Ceará, Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga, Festival de Jazz e Blues de Guaramiranga, Festa do Livro e da Leitura de Aracati, Festival Música na Ibiapaba, Festival Internacional de Trovadores e Repentistas, Festival Flores da Serra em Pacoti, Secult Itinerante, Bienal Internacional de Dança do Ceará e Bienal Internacional de Dança do Ceará/De Par em Par, DeVERcidade). É técnica em Turismo e Hotelaria pelo Instituto Federal do Ceará (2002) e atualmente estuda Administração de Empresas na Unifanor. Em 2007 inicia seus trabalhos de assessoria em editais culturais para artistas e ONGs no Ceará. Idealizadora e realizadora de projetos como Mostra de Teatro de Rua de Jaguaribe (três edições realizadas em Jaguaribe - 2010/2011/2012) e o Som da Parada (uma edição realizada nos terminais de ônibus de Fortaleza - 2011). Em 2011, cria junto com seu então sócio Ângelo Márcio a Iluminura Produtora Cultural com intuito de pensar, elaborar, captar, gerenciar e realizar projetos de cunho cultural de livre acesso, gratuito e sobretudo de qualidade pensado para os diversos públicos com o entusiasmo de quem aprecia e o cuidado de quem acolhe público e artista.

Sobre Festival Internacional de Circo do Ceará

O Festival Internacional de Circo do Ceará foi o primeiro projeto cearense no formato festival a desenvolver ações exclusivamente voltadas para a linguagem circense contemplando mostra de espetáculos e formação totalmente gratuito. Foi um marco na trajetória dos circenses de todo o estado do Ceará uma vez que desmistificou a imagem de circo marginal, periférico abandonado e provou o valor dessa arte completa que encanta plateias a milênios. Prova concreta desse argumento é a quantidade de pessoas que assistem ao festival, milhares lotando praças e anfiteatros por onde passa com programações de quatro horas seguidas sem evasão de público. Todos querem ver o Circo no seu sentido artístico e em seu valor maior que são seus artistas com seus talentos inigualáveis.

Podemos afirmar que o Festival Internacional de Circo do Ceará figura, hoje, como um dos maiores e mais importantes do Norte Nordeste brasileiro sendo o maior e mais completo projeto no segmento de circo do Ceará. Em cinco edições realizadas o projeto recebeu 1.012 inscrições de trupes, grupos, companhias e artistas circenses das quais foram contempladas 145 que resultou em 330 apresentações, 45 oficinas, 05 minicursos, 01 masterclass, 01 palestra, 01 seminário, 05 encontros distribuídos em 35 espaços em 12 cidades para um público direto de 80 mil e indireto de 3 milhões de pessoas.

Gorete Albuquerque

Goreth Albuquerque

FIMC - Festival Internacional de Máscaras do Cariri/CE

História e Trabalhos

Atualmente integra o quadro da Secretaria de Cultura do estado do Ceará (Secult/Ce), na Coordenadoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas. Membro do Grupo IARTEH (grupo de pesquisa em arte e formação de professores/Universidade Estadual do Ceará - UECE); é membro da ONG BEATOS - Base Educultural de Ação e Trabalho de Organização Social, através da qual realiza o Festival Internacional de Máscaras do Cariri(FIMC), único festival de máscaras do Brasil; narradora oral, mediadora de leitura, atriz amadora, arte terapeuta, educadora social, formadora de professores; Pedagoga, graduanda em Psicologia; tem participado de sessões de narração oral em festivais e atuado na formação de novos narradores através da Escola de Narradores Orais (Ce);  fez parte da equipe de produção da Mostra Sesc Cariri das Artes (2004/2005/2006). Ampla trajetória em coordenação e gestão de projetos que abordam a cultura e a educação como eixo de desenvolvimento, no setor público e através de instituições do terceiro setor. 

nilde ferreira

Nilde Ferreira

Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga- FNT (Guaramiranga - CE)

História e Trabalhos

Comunicóloga; especialista em Gestão e Políticas Culturais pela Universidade de Girona/Observatório Itaú Cultural; especialista em gestão pública municipal, pela Universidade do Parlamento Cearense; gestora cultural com experiências nos setores Público e Terceiro Setor.

Atua nas áreas de planejamento e gestão da cultura, com destaque para as seguintes experiências: Foi secretária de Cultura de Guaramiranga (1998-2008), presidiu o Conselho de Dirigentes Municipais de Cultura do Ceará (2005-2007), foi vice-presidente do Conselho Estadual de Cultura do Ceará (2005 e 2006), atuou na equipe técnica de Gestão do Sistema Estadual da Cultura do Ceará/Secult (2009 e 2010); coordenou a Escola de Artes e Ofícios do Instituto Dragão do Mar de Arte e Cultura (2011 a 2013); participou da equipe de implantação dos cursos básicos da Escola Porto Iracema das Artes (2012/13); foi assessora de políticas culturais da Secretaria de Cultura de Fortaleza (2013 a 2016); é sócia- fundadora da Associação dos Amigos da Arte de Guaramiranga e Coordenadora Geral do Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga.

Sobre Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga- FNT

Guaramiranga Realizado pela Associação dos Amigos da Arte de Guaramiranga (AGUA), o Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga (FNT) figura entre os grandes eventos culturais do País e tem se firmado, no segmento teatral do Nordeste brasileiro, como importante polo de difusão, circulação e formação.

Iniciado em 1993, sua trajetória é assegurada pela diversidade de sua programação que lhe confere, ao mesmo tempo, caráter de singular espaço de promoção e acesso à produção teatral nordestina e estratégica ação de desenvolvimento cultural e artístico da região que o abriga: o Maciço de Baturité, no interior do Estado do Ceará.​

Paulo Victor

Paulo Victor Feitosa

Quitanda das Artes (Fortaleza - CE) e Festival Nordestino de Teatro de
Guaramiranga- FNT (Guaramiranga - CE)

História e Trabalhos

Produtor e Gestor Cultural. Fundador e diretor da empresa Quitanda das Artes, empresa dedicada e inovação social que tem como princípios o fortalecimento da produção e gestão cultural, a formação, o desenvolvimento sociocultural, a inovação e a sustentabilidade, a instituição se baseia na compreensão de que refletir sobre cultura é pensar valores e novos códigos sociais. Dirige projetos culturais em diversos segmentos, com destaque para a direção e curadoria de diversos festivais em âmbito nacional e internacional. Dedicou-se à gestão de políticas públicas para a cultura, como Secretário Adjunto da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult). Em 2019/2020 assina a curadoria dos seguintes projetos de artes cênicas: Festival ELOs, Festival Giro das Artes e Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga.

Sobre Quitanda das Artes

Mudar o olhar e diferenciar-se no mercado tem sido um dos grandes desafios incorporados pela Quitanda das Artes – Agência e produtora cultural. Em atuação desde 2007, a produtora vem se consolidando a partir da compreensão do setor cultural de modo amplo, passando pela criação, execução e formação, contemplando a produção cultural e chegando à difusão e fruição artística. Essa atuação global permite uma visão holística do campo cultural e proporciona a compreensão aprofundada do funcionamento do mercado. Tendo como princípios o fortalecimento de coletivos e artistas, a formação, o desenvolvimento cultural, a inovação e a sustentabilidade, a instituição se baseia na necessidade de entender a internacionalização da cultura como estratégia central de desenvolvimento, na abordagem da formação cultural como instrumento de valorização e difusão da cultura e no reconhecimento de que refletir sobre cultura é pensar valores e códigos sociais novos.
Pensando a cultura como um ecossistema, a Quitanda cria elos e coloca em sintonia artistas, gestores, produtores e público, construindo um campo frutífero para as artes. Com o objetivo de contribuir para que as ações e programas coloquem a cultura em movimento, a Quitanda propõe métodos criativos de atuação no mercado que consigam gerar difusão e valorização da diversidade e que tenham como diretriz fundamental o entendimento da cultura como vetor de renovação, inclusão e reorganização social. A Quitanda reflete em sua personalidade um olhar inovador e a preocupação com os novos fenômenos culturais, mais dinâmicos e fluidos, com a ampliação de referências e com as possibilidades de disseminação da produção artística mundo afora, viabilizando, assim, empreendimentos sólidos e sustentáveis para a economia da cultura no Brasil.

Raimundo Moreira

Raimundo Moreira

Festival Popular de Teatro de Fortaleza - FEPTEF

História e Trabalhos

Formado em História pela Universidade Estadual do Ceará; Especialização em Arte e Educação pelo IFCE; Há mais de 25 anos é ator e diretor artístico da Companhia Prisma de Artes; Diretor e Produtor do Grupo de Contação de Histórias Era uma vez…; Formador do Programa de Alfabetização na Idade Certa – PAIC pela SEDUC dentro do eixo Contação de Histórias; É professor da Escola de Narradores e integra a Rede de Contadores de Histórias do Estado do Ceará. É Coordenador Geral do Festival Popular de Teatro de Fortaleza e da Caravana da Leitura e do Autor Cearense.

Sobre Festival Popular de Teatro de Fortaleza - FEPTEF

O Festival Popular de Teatro de Fortaleza é um projeto que visa ampliar o acesso da população de Fortaleza às artes cênicas, principalmente através da linguagem do teatro de rua. O Festival, pautado no fortalecimento das relações estético-afetivas entre os artistas/grupos/Cias e as comunidades onde atuam, pretende, através de suas ações sistemáticas, enaltecer a teatralidade popular e dos movimentos teatrais da cidade de Fortaleza.

Rejane Reinaldo

Rejane Reinaldo

Bienal Internacional de Teatro - BIT

História e Trabalhos

Professora-pesquisadora, gestora, atriz, diretora, produtora, curadora, parecerista; Desde 2010 Coordena o Projeto Amazonas-Teatro,Mito,Ciência-Brasil; Desde 2010 Voluntária do GEEON - Grupo de Estudos e Pesquisas Oncológicas (UFC); Desde 2015 Coordenadora de Criação e Fomento da Secretaria da Cultura de Fortaleza; Desde 2017 compõe o Conselho da Mulher e desde 2015 o Conselho de Cultura de Fortaleza; Doutora em Artes Cênicas 2015 (UFBA) com o projeto Pentesileia, ganhador do Prêmio Funarte de Residências em Artes Cênicas 2010 (Ministério da Cultura/Fundação Nacional de Artes - Funarte) e do Programa de Intercambio e Difusão Cultural 2010 (Ministério da Cultura). Mestre em Sociologia na Universidade Federal do Ceará - UFC (Da Alma ao Ato. Da Emoção à Arte. Processo Criativo e Grupos Teatrais - 2003). Bacharel em Serviço Social (UECE).  Formada em canto lírico (UFC); Formada em Radiodifusão sonora e por imagens (UFC/ACRT/FUNTELC); De 1976 até hoje tem participado como atriz, diretora e produtora de diversos espetáculos, filmes, leituras dramáticas,performances, publicidade;

Sobre Bienal Internacional de Teatro - BIT

A BIENAL INTERNACIONAL DE TEATRO DO CEARÁ – BITCE constitui uma tentativa de reunir o vigor da arte teatral, o rigor da academia e o mistério do mito, tudo sob os auspícios do afeto, da alegria e da coragem – porque fazer teatro exige de nós um destemor sem igual. A ideia de um Festival Internacional de Teatro no Ceará é remota, faz parte dos projetos do Ponto de Cultura Escola Livre Teatro da Boca Rica – TBR desde há muito. A BITCE aconchega o que vislumbramos como a cena do mundo, sem limites, sem bordas. Abrange, assim, inseparáveis, territórios, línguas e estéticas. Destarte, mesmo sem fragmentar tradição e contemporaneidade, a BITCE não ignora os incontáveis conceitos que tentam dar conta, seja da feição estética, seja da feição histórica do jargão "contemporâneo".

robson cavalcante

Robson Cavalcante

Festival dos Inhamuns/CE

História e Trabalhos

É professor de história, arte-educador, escritor, diretor, ator e produtor cultural. Sua trajetória educacional e artística se confunde com a da Associação dos Amigos da Arte Ciência e Cultura de Arneiroz – Arte Jucá, fundada por ele em maio de 2000 e que nos últimos 19 anos vem desenvolvendo importante ação cultural no Sertão dos Inhamuns, com ações nas áreas do teatro, música, literatura, artes plásticas e áudio visual, tendo sido agraciada por duas vezes com o Prêmio Ceará Vida Melhor (2006, 2008), concedido pelo Governo do Estado a instituições não governamentais e sem fins lucrativos pela relevância dos serviços prestados na área social.

Foi presidente do Fórum de Cultura e Turismo da região dos Inhamuns e dirigente municipal de cultura da cidade de Arneiroz (2005-2006). Como gestor teve participação fundamental no desenvolvimento do projeto que levou o município a conquistar o selo Unicef por duas vezes (2006 e 2008). Como artista cênico dirigiu o Juká de Teatro, grupo que até 2018 contabilizava 13 espetáculos montados no currículo (09 de sua autoria). Atualmente dirige a ELTI - Escola Livre de Teatro dos Inhamuns e desde 2010 é Coordenador Geral do Festival dos Inhamuns ― Circo, Bonecos e Artes de Rua, evento que vem se consolidando como um dos mais importantes do gênero na América Latina, já em sua oitava edição. Em 2015 se tornou membro da Academia Tauaense de Letras.

Sobre Festival dos Inhamuns

O Festival dos Inhamuns Circo, Bonecos e Artes de Rua é um importante encontro de artes cênicas realizado no sertão dos Inhamuns, interior do Ceará. É o único em todo o estado cearense que trabalha com as múltiplas linguagens do Circo, Bonecos e Artes de Rua. O Festival tem a participação de companhias teatrais, artistas circenses, bonequeiros, pesquisadores, performances e amantes da arte pública de todo o País e do exterior transformando o Sertão dos Inhamuns em um grande palco de entretenimento, reflexão, formação e intercâmbio.

sergio bacelar

Sérgio Bacelar

Festival do Teatro Brasileiro (Brasília - DF)

História e Trabalhos

Sergio Bacelar, graduado em 1992, em Direito pela Universidade de Brasília, é o criador de dois festivais. O primeiro, Festival do Teatro Brasileiro  - FTB, teve nos meses de janeiro e fevereiro deste ano realizada a sua vigésima edição. O FTB, projeto de destaque da circulação das artes cênicas no Brasil,  já teve a produção de dança, teatro e circo de 10 unidades federativas brasileiras apresentadas ao público de 14 estado. Além de idealizador, Sergio é o Diretor e Coordenador de Curadoria. O segundo festival é o Movimento Internacional de Dança – MID, que entre 18 de abril e 05 de maio deste ano, terá sua quinta edição realizada.  O MID nesse ano apresentará 35 coreografia de diferentes durações e estilos, em 56 apresentações, com a participação de 10 países. Sergio Bacelar, além de idealizador em parceira com Sergio Maggio, é também o diretor geral, coordenador da curadoria local e nacional e responsável, em parceria com Cristina Castro, pela curadoria internacional do festival.